Como fazer Home Office do jeito certo? 4 semanas atrás

Nos últimos anos, o avanço da tecnologia permitiu que mais empresas diversificassem seus regimes de trabalho e se adaptassem à necessidade de repensar a mobilidade dos funcionários em grandes cidades. As mudanças vão desde fazer home office, que significa trabalhar de casa, até a implementação de horários mais flexíveis de entrada e saída, para que os funcionários escapem do rush no trânsito, por exemplo. 

As facilidades proporcionadas pela internet nos últimos anos permitiram que muitos profissionais começassem a optar por ter uma maior liberdade ao organizar seu dia-a-dia. Da mesma maneira que as próprias empresas passaram a entender que nem sempre o padrão seguido pelas rotinas de trabalho é o melhor, podendo ser muitas vezes adaptado. 

Neste artigo vamos desenvolver tudo que diz respeito a fazer home office e quais são os desafios e benefícios quando se decide trabalhar de casa. A ideia é que, gestores e funcionários, possam colocar na balança os desafios e os benefícios de fazer home office, para assim, definir qual o melhor modelo para seguir.  

É sempre válido lembrar que ser dono do próprio tempo requer responsabilidade, principalmente no que diz respeito a essa prática de fazer home office. Venha ler mais! 

O que diz a CLT sobre Home Office? 

Para quem ainda não está familiarizado com o termo, o Home Office ou teletrabalho, é definido pela prestação de serviço fora das dependências da empresa com a utilização de tecnologias de informação e comunicação. Essa modalidade não deve ser confundida com o trabalho externo pois a diferença é clara: as atividades de um trabalhador home office poderiam ser realizadas 100% dentro da empresa, diferente das atividades de um trabalhador externo, como uma equipe de vendas, por exemplo. 

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) foi alterada em 2011 de forma a eliminar qualquer diferenciação entre o trabalho feito no escritório da empresa ou à distância. E com isso, ficam mantidas a obrigatoriedade do registro do trabalhador na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) e garantidos direitos como férias, 13º salário, aviso prévios, entre outros. 

Não há uma lei específica que regulamente essa modalidade, ou seja, de uma forma geral, ela segue as mesmas regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Mas após uma outra atualização nas leis trabalhistas, desde 2017 o funcionário pretende fazer Home Office passou a contar com o Capítulo II-A, que descreve algumas particularidades sobre essa modalidade. 

O funcionário que vai fazer Home Office recebe benefícios? 

A reforma trabalhista não inclui referências específicas sobre a remuneração do colaborador que vai fazer Home Office. E, por esta razão, recomenda-se aplicar as mesmas condições dos demais empregados.  

No entanto, os benefícios ou chamados “vales” são um ponto de atenção para aqueles que pretendem fazer Home Office. Pelo fato de terem o objetivo de ressarcir o trabalhador pelas despesas realizadas em função da atividade exercida, há algumas peculiaridades no caso do vale-transporte e o vale-alimentação, por exemplo, que perdem o sentido. 

O pagamento do vale-transporte é feito no caso de necessidade de deslocamento para empresa como a participação em reuniões, por exemplo, ou para alguma outra atividade. Já o vale-alimentação deve ser mantido se for pago por obrigação prevista em norma sindical, e não houver nenhuma previsão contrária. 

Nos casos em que o benefício é pago espontaneamente pela empresa, a diminuição ou eliminação para o funcionário que vai fazer Home Office é permitida. Mas pode ser vista como uma diferenciação injusta, devendo ser uma decisão avaliada estrategicamente pela empresa. 

Outros benefícios como plano de saúde, vale-cultura e estudo são verbas remuneratórias, e isso quer dizer que não se referem ao ressarcimento de despesas, permanecendo assim, como um direito do trabalhador nesse tipo de regime home office. Da mesma maneira, os direitos básicos como férias, décimo terceiro, aviso prévio e licenças também se aplicam. 

Vantagens para o profissional fazer Home Office 

Para muitas pessoas, trabalhar em um ambiente mais caseiro e tranquilo pode significar maior produtividade, visto que não há alguém cobrando ou um relógio para ser respeitado. Mas vale lembrar que a pessoa que opta pelo teletrabalho precisa ter em mente que é necessário ser disciplinado e ter muito foco, e algumas vezes essas características não são tão simples de serem conquistadas. Força de vontade tem que ser a palavra de ordem. 

No que diz respeito a vida pessoal da pessoa que vai fazer Home Office, existe uma maior flexibilidade e independência nos horários, é uma chance de se livrar do trânsito na cidade e consequentemente reduzir custos, além de ser uma oportunidade de aperfeiçoar a auto-gestão.  

E pensando nos portadores de algum tipo de deficiência física, é uma opção prática para ser adotada quando necessário. Inclusive, escrevemos um outro artigo sobre a contratação de portadores de deficiência. Leia aqui 🙂

Vantagens para empresa deixar fazer Home Office 

Uma empresa que deixar o funcionário fazer Home Office, deve ter plena confiança em seu time para que os resultados e a produtividade não sejam afetados negativamente. Porque quando essa junção dá certo, muitas coisas boas podem acontecer para seu negócio, listamos algumas delas abaixo: 

 

  • Redução de custos: Materiais, aluguel do escritório, refeições, transporte e outros benefícios 
  • Otimização dos serviços 
  • Funcionários mais motivados e até adotando uma melhor qualidade de vida 
  • Possibilidade de terceirizar funcionários 
  • Contratação de profissionais de outras cidades, estados e países, o que pode representar uma diminuição do custo com mão-de-obra 
  • Atendimento ao cliente 24 horas 

Quem fornece o equipamento para fazer Home office? 

Como a maioria das profissões que podem fazer Home Office exigem algum tipo de eletrônico, a decisão de quem será responsável pela aquisição dos equipamentos deve ser prevista no contrato de trabalho.  

Mas este já foi um ponto muito questionado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), pois, caso a empresa passasse para o trabalhador a responsabilidade pelos equipamentos, estaria transferindo os custos da atividade sem entregar lucro ao funcionário. Regra que também vale também para despesas como conta de luz do trabalhador que faz home office. 

Como fazer home office do jeito certo 

  1. Tenha as ferramentas em mãos: Se você utiliza um notebook no trabalho e pode levá-lo para casa, já tem um bom caminho andado.
  2. Tenha internet: Uma boa conexão à internet também é essencial para garantir a sua produtividade em casa. Cheque esse detalhe antes de fazer home office e, se for o caso, faça um upgrade da conexão antes de utilizar o benefício.O mesmo vale para a linha de telefone. Se tiver celular da empresa, maravilha. Agora, se for usar seu celular particular, preste atenção para não acabar no prejuízo. Com uma boa internet, ligações por WhatsApp ou Skype são uma opção. 
  3. Não se esqueça: Se você pretende trabalhar de casa com frequência, não pode correr o risco de esquecer no escritório alguma coisa que vai fazer falta para o trabalho. Uma dica é agir como se você não tivesse uma mesa fixa no escritório e pudesse trabalhar em qualquer estação que estiver livre. Isso evita que você esqueça aquele caderno com todas as anotações em cima da mesa entulhada de papel.
  4. Cumpra seu horário: Se você tem um horário fixo de trabalho, deve cumpri-lo rigorosamente também quando está trabalhando de casa. A vantagem é, sim, poderlevantar da cama um pouco mais tarde por não ser obrigado a encarar o trânsito, mas ela para por aí. 
  5. Use uma roupa certa: Outra dica é trocar de roupa, como se de fato você fosse sair para trabalhar. Claro que você não precisa vestir a melhor calça e nem usar salto alto, mas deve, sim, tirar o pijama para não deixar o dia de home office com cara de domingo chuvoso.
  6. Escolha um local: O local de trabalho também deve ser muito bem escolhido. É um importante também procurar um ambiente iluminado e agradável para trabalhar. 
  7. Evite interferências: Evite a TV se você não tem esse hábito no escritório. Para as redes sociais e internet em geral, a regra é a mesma. 
  8. Avise seus familiares: Um cuidado especial para quem não mora sozinho e tem família em casa durante o expediente é avisar a todos que você está lá, mas é um dia normal de trabalho. Se for necessário, passe o dia com a porta fechada para se concentrar melhor.
  9. Tenha cuidado com as informações: Por fim, não custa lembrar, mesmo que você esteja em home office, assuntos sigilosos da empresa continuam sendo sigilosos e devem ser tratados com muito cuidado sempre.

Quando o home office não funciona 

Apesar de as empresas estarem abertas para essas mudanças, muitas ainda estão estudando qual é o modelo ideal para sua área de atuação. As vezes a flexibilidade do funcionário deve ser total ou há casos nos quais é preciso ter algumas regras, se o trabalho pode ser feito de forma completamente remota ou se fazer o home office deve ser adotado apenas em um ou dois dias da semana pelo funcionário. 

Esse tipo de trabalho remoto não é necessariamente algo positivo para todas empresas, porque a cultura da organização deve ser compatível com o ideal de fazer Home Office. O modelo de trabalho precisa também permitir isso, para que essa flexibilidade potencialize o negócio e não o contrário. 

Em alguns casos, é importante que o colaborador esteja dentro da empresa, muitas vezes por sua presença ser fundamental para gerar uma influência nos demais. Para aquele cargo que o profissional precisa inspirar e motivar, fazer Home Office pode não ser uma boa ideia porque não adianta a pessoa estar fora. Ou até mesmo nos casos em que as pessoas precisam estar próximas para tomar uma decisão mais rápida, de forma mais ágil, fazer Home Office pode não funcionar. 

O ideal é que toda a equipe e suas determinadas funções sejam avaliadas para que se entenda se fazer Home office vale a pena ou não. E lembrando que deve ser algo voluntário partindo do profissional que vai fazer o Home Office, pois se adaptar e implementar essas novas práticas pode não agradar a todos. 

Há também o caso do funcionário que faz a mudança para o part-time, que exige um novo contrato de trabalho conforme as regras específicas desse tipo de regime. Desde novembro do ano passado, quando a reforma trabalhista entrou em vigor, a jornada parcial pode ser de até 30 horas semanais, ou 26 horas com até seis horas extras por semana. 

A reforma também estabeleceu regras para fazer Home Office e deixou claro elas só valem para quem trabalha majoritariamente dessa forma. Ou seja, não se aplicam para quem trabalha em casa alguns dias na semana conforme sua própria conveniência ou da empresa. Nesses casos, segue valendo o regime tradicional de jornada de 44 horas semanais com controle de horas extras. 

Pelo fato de o funcionário estar fora do escritório, a CLT dispensa o registro da sua jornada  e o controle de horário. Mas muitos gestores têm optado pela adoção dos controles de ponto online.  A empresa pode instituir um ponto externo ou um sistema que disponha de um aplicativo para o colaborador bater o ponto do seu próprio aparelho e as informações serem instantaneamente conectadas a empresa. 

Controle da jornada para fazer Home Office 

Entre os direitos garantidos ao colaborador que pretende fazer home office está o pagamento de horas extras. Como trabalhadores internos, casos que excederem a jornada regular de 8 horas diárias ou 44 horas semanais, recebem hora extra. 

A grande dúvida, neste item em particular, diz respeito à forma como será comprovada a jornada executada. Uma alternativa que tem sido experimentada pelas empresas é utilizar os Serviços de controle de ponto online e ponto mobile, pois o colaborador tem a possibilidade de bater o ponto pelo próprio computador, tablet ou celular, e as informações são instantaneamente compartilhadas com seus supervisores.  

O Sistema de Controle de Ponto Online da mywork cumpre com essa função da melhor maneira. Nós oferecemos deixamos a escolha a sua disposição: Se você quiser que seus funcionários acessem o Sistema e batam o ponto por qualquer dispositivo que se conecte à internet, é uma ótima opção. Mas se você quiser um aplicativo de controle de ponto baixado direto no celular, também achamos uma ótima alternativa.  

O essencial, aqui, é que os gestores tenham claro esta definição quanto à carga horária. Inclusive estabelecendo limites para o contato telefônico, ou por e-mail, com o colaborador que atua a distância. Limitar este relacionamento ao horário do expediente na empresa é uma proteção contra eventuais processos trabalhistas. 

Essa é uma forma segura de aproveitar ao máximo os benefícios que o trabalho a distância pode oferecer, além de entendê-lo como parte da estrutura da organização. Os limites de fazer home office devem servir para aproximá-lo da cultura e das rotinas da empresa, com ganho de produtividade e satisfação dos colaboradores.  

E que tal fazer um teste grátis de 15 dias com a gente? Só clicar neste link e seja bem-vindo a ferramenta mais prática e segura para você e seus funcionários. 

Nenhum comentário em Como fazer Home Office do jeito certo?

Deixe uma resposta